Economia

29/11/2018

Atacadista precisa avaliar a necessidade de contratar temporários para o fim do ano

FecomercioSP alerta que investimento em mão de obra deve ser condicionado com o caixa atual da empresa

Atacadista precisa avaliar a necessidade de contratar temporários para o fim do ano

O mercado de trabalho do comércio atacadista mostrou crescimento em setembro com destaque para os grupos de máquinas de uso comercial e industrial e atacado de eletrônicos e equipamentos de uso pessoal
(Arte: TUTU)

Os empresários atacadistas devem ter cuidado com a contratação de trabalhadores temporários para atender à demanda mais intensa do varejo e consumidor final no Natal. O momento é propício para avaliar as equipes e os espaços existentes, além da qualidade e da produtividade dos colaboradores para medir a necessidade de contratações ou sustentação do quadro.

Mesmo com a necessidade de planejar o dimensionamento do quadro funcional para o fim do ano e para 2019, os gestores devem ter em mente que mão de obra é investimento de médio e longo prazos, e deve ser condicionado com o caixa atual da empresa e suas projeções para o mesmo.

Veja também:
Setor de serviços passa por recuperação dos postos de trabalho no Estado de São Paulo
Confiança do consumidor inicia processo de retomada gradual
Expectativa para o Natal altera positivamente resultados do Índice de Estoques

Entre janeiro e setembro deste ano, o mercado de trabalho do setor passou por um processo de consolidação do processo de retomada do emprego com carteira assinada após a maior recessão registrada, em 2015 e 2016.

No período, de janeiro de 2015 a dezembro de 2016, foram 24.699 vagas eliminadas, mas parte desse saldo foi recuperado entre janeiro de 2017 e setembro de 2018, quando 13.214 empregos formais foram gerados.

O mercado de trabalho celetista do comércio atacadista do Estado de São Paulo mostrou crescimento em setembro de 2018. Segundo a Pesquisa de Emprego no Comércio Atacadista do Estado de São Paulo (PESP Atacado), 714 postos de trabalho foram criados. Com isso, o estoque ativo do setor avançou para 505.156 vínculos empregatícios ativos, crescimento de 1,7% em relação aos ativos em setembro de 2017 e o maior patamar desde setembro de 2015.

Os melhores desempenhos ficaram por conta dos grupos de máquinas de uso comercial e industrial (308 vagas) e atacado de eletrônicos e equipamentos de uso pessoal (219 vagas). A PESP Atacado é realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

No acumulado do ano, 7.006 empregos foram criados. O resultado foi incentivado pelos grupos de papel, resíduos, sucata e metais (1.803) e produtos farmacêuticos e higiene pessoal (1.807).

Desempenho regional
O resultado estadual no mês de setembro foi puxado para cima em virtude dos resultados da capital, que gerou 306 novas vagas, e da região de Campinas, que abriu 124 postos de trabalho. No acumulado do ano, as regiões paulistas onde o atacado mais gerou postos de trabalho celetistas foram, respectivamente, a capital e Guarulhos.

Capital
Das 306 vagas criadas pelo atacado na capital paulista, 205 foram na atividade de eletrônicos e equipamentos de uso pessoal. Já no ano todo, a atividade com maior número de vagas geradas foi o atacado de produtos farmacêuticos e de higiene pessoal, com 830 vagas.