Economia

03/12/2018

Custo de vida na região metropolitana de São Paulo tem alta pelo segundo mês consecutivo em outubro

De acordo com a FecomercioSP, o segmento de transporte foi o principal responsável pela aceleração do custo de vida

Custo de vida na região metropolitana de São Paulo tem alta pelo segundo mês consecutivo em outubro

Custo de vida na região metropolitana de São Paulo subiu 0,42%, sendo que o segmento de transporte teve alta de 1,43% no mês
(Arte: TUTU)

O custo de vida na região metropolitana de São Paulo subiu 0,42% em outubro. No acumulado do ano, o indicador registrou variação positiva de 3,51%, e nos últimos 12 meses, a elevação foi de 4,79%. Os dados são da pesquisa Custo de Vida por Classe Social (CVCS), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Entre as nove categorias que compõem o indicador, apenas a de Habitação sofreu variação negativa em outubro, com leve decréscimo de 0,18%. Por outro lado, o segmento de Transporte foi o principal responsável pela aceleração do custo de vida no décimo mês do ano, com alta de 1,43%. Em 2018, o grupo acumulou variação positiva de 3,87%. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 6,92%.

Veja também:
Aumento na confiança do empresário eleva intenção de investir e contratar
Setor de serviços passa por recuperação dos postos de trabalho no Estado de São Paulo
Confiança do consumidor inicia processo de retomada gradual

O segmento de Alimentos e bebidas também influenciou o indicador, com elevação de 0,37%. No acumulado de 2018, apontou altas de 4,51% e de 5,51% (nos últimos 12 meses). Os alimentos descrevem alta de preços pois superam a média da inflação para ambos os períodos em questão.

Na segmentação por renda, as classes D e C foram as que mais sentiram o aumento dos preços em setembro, encerrando o mês com altas de 0,43% 0,44%, respectivamente. A classe A foi a que menos sentiu os aumentos em outubro, encerrando o mês com variação positiva de 0,22%.

IPV
O Índice de Preços no Varejo (IPV) obteve alta de 0,43%, ante o aumento de 0,93% em setembro. No período compreendido entre janeiro e outubro, apontou acréscimo de 3,51%. Em 2017, o IPV acusava altas de 0,45% em outubro e de 1,14% no dado anualizado.

Dos oito segmentos que compõem o IPV, três encerraram o mês com queda em seus preços médios no comparativo com agosto: habitação (-1,03%), saúde e cuidados pessoais (-0,45%) e despesas pessoais (-0,10%).

Por outro lado, o segmento de Transportes foi o principal responsável pela alta dos preços outubro (1,49%). Esse grupo acumulou a maior variação entre todos os demais no acumulado em 12 meses, de 9,64%. Em 2018, verificou-se acréscimo de 6,16%. O subgrupo de veículo próprio apontou alta de 0,22%. Já o subgrupo dos combustíveis acusou elevação de 2,63% no mês, tendo como destaque aumentos em etanol (4,28%), gasolina (2,41%) e óleo diesel (2,05%).

Os Alimentos e bebidas também sinalizaram preços mais elevados em outubro, com alta de 0,37%. Nos últimos 12 meses o aumento foi de 6,41%. No acumulado de janeiro a outubro, de 6,06%. De acordo com a FecomercioSP, a oscilação de preços, embora acima da média da inflação nos dados acumulados, está centrada nos itens que possuem sazonalidade, por isso, é natural que os preços variem. Os principais destaques observados no décimo mês do ano foram: batata-inglesa (20,24%), tomate (32,78%), salmão (9,47%), abacaxi (4,51%) e pera (4,35%).

Na segmentação do IPV por faixa de renda, as classes B e C foram as mais prejudicadas, com variações positivas de 0,48% e 0,47%, respectivamente. Já para as classes E e A, o IPV apontou acréscimos de 0,36% e 0,32%, consecutivamente.

IPS
O Índice de Preços de Serviços (IPS) subiu pelo segundo mês consecutivo, com aumento de 0,41% em outubro. No acumulado dos últimos 12 meses, os serviços obtiveram variação positiva de 4,95%. No período compreendido entre janeiro e outubro de 2018, houve uma elevação de 3,5%. Considerando os dados de 2017, o indicador apontou aumentos de 0,48% no mês e de 5,78% nos últimos 12 meses, findos em outubro do ano passado.

Os oito segmentos que compõem o IPS obtiveram aumento em outubro. O setor de Transportes apontou alta de 1,32% em outubro. Nos últimos 12 meses, obteve acréscimo de 2,01%. No entanto, no período compreendido entre janeiro e outubro de 2018, houve leve queda de 0,30%. Os destaques do mês ficaram por conta de ônibus interestadual (1,08%), passagem aérea (8,76%), seguro voluntário de veículo (2,35%) e lubrificação e lavagem (2,98%).

O segmento de Saúde e cuidados pessoais foi o segundo a puxar a alta, com aumento de 0,65%. No acumulado dos últimos 12 meses, o setor apontou acréscimo de 9,19%. No período compreendido entre janeiro e outubro de 2018, a alta foi de 7,37%. Os subgrupos que se destacaram foram: dentista (0,22%), fisioterapeuta (0,71%), hospitalização e cirurgia (1,02%), exame de imagem (0,51%) e plano de saúde (0,77%).

Na segmentação do IPS por faixa de renda, as classes A e B foram as que menos sentiram as variações, altas de 0,14% e 0,37%, respectivamente. Já para as classes E e D, o IPS apontou acréscimos de 0,49% e 0,5%, consecutivamente.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o custo de vida na cidade de São Paulo mostra sinais claros de aceleração, especialmente em comparação ao ano anterior. Tantos os produtos como os serviços seguem com alguma pressão de alta e, pelo fato de as altas estarem centradas em grupos de alta representatividade na composição do índice geral, não se pode descartar efeitos de uma restrição orçamentária, especialmente para as famílias de renda mais baixa.

Segundo a Entidade, ainda é esperado um decréscimo no preço dos combustíveis, impactando no segmento de transportes, tendo em vista a redução anunciada pela Petrobras durante o mês de novembro.