Economia

25/09/2017

Economia reúne dados que sinalizam o fim da crise

Setores como comércio, serviços e indústria têm registrado crescimento, e mercado de trabalho mostra recuperação

Economia reúne dados que sinalizam o fim da crise

Após queda da inflação e redução dos juros, economia apresenta números positivos em diversas áreas
(ARTE/TUTU)

Enquanto a política passa por um período turbulento, a economia segue seu próprio rumo e reúne uma série de variáveis que indica que o País está saindo da maior recessão de sua história.

Até o fim do primeiro semestre deste ano, a queda da inflação e a redução dos juros eram os principais indicadores que os analistas usavam para sinalizar a melhora da economia brasileira. Contudo, ao longo de agosto e início de setembro foram divulgados dados importantes que mostram a recuperação em mais setores que agregam os indicadores anteriores.

Veja também
Mercado de trabalho do setor de serviços paulista consolida recuperação e cria 6.174 empregos formais em julho
Proporção de empresários com estoques adequados atingiu 55,3% em setembro, a maior desde julho de 2015
Vendas do varejo paulistano atingem R$ 15,6 bilhões em junho, a quarta maior cifra para o mês desde 2008

O Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre registrou alta de 0,3% em relação ao mesmo período de 2016, a primeira variação positiva nesse tipo de comparação após 12 trimestres consecutivos de retração. Com participação de 73,3% no PIB, o setor de serviços cresceu 0,6% entre abril e junho, na comparação com o primeiro semestre do ano. Outro dado positivo, na mesma base comparativa, é o do consumo das famílias, que, após estabilidade nos primeiros três meses do ano, teve alta de 1,4% no segundo trimestre.

Setores específicos também têm apresentado resultados interessantes. A produção da indústria cresceu 2,5% em julho em comparação com o mesmo mês do ano passado e acumulou alta de quase 1% no ano. Além disso, 17 das 26 atividades industriais registraram dado positivo, sinalizando dispersão do aumento de produção.

No varejo, a Pesquisa Mensal do Comércio mostrou que o setor cresceu 4,4% em junho frente ao mesmo mês de 2016. No acumulado do ano, o comércio varejista passou de uma contração (-0,5%) para alta de 0,3%. Ainda em junho, todos os segmentos do comércio analisados pela pesquisa tiveram crescimento nas vendas na comparação interanual.

O mercado de trabalho também apresenta números positivos. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), braço do Ministério do Trabalho e Emprego, seis dos nove grupos de atividades registraram mais admitidos do que demitidos em julho – o comércio apontou pouco mais de 10 mil novos contratos com carteira assinada, enquanto o setor de serviços criou 7,7 mil novos empregos formais.

Portanto, a recuperação da economia, que parecia estar mais restrita à inflação e aos juros, agora se mostra por diversas atividades, incluindo o mercado de trabalho, o mais esperado. Dessa forma, pode-se afirmar que, com esse conjunto de indicadores positivos, o País entrou novamente nos trilhos da retomada do crescimento.