Negócios

18/01/2019

ELAS desenvolve programa de carreira para lideranças femininas

Escola de liderança e desenvolvimento ajuda mulheres a se tornarem mais influentes no mundo corporativo

ELAS desenvolve programa de carreira para lideranças femininas

Cerca de40% das alunas formadas no treinamento já obtiveram resultados significativos em suas carreiras
(Arte: TUTU)

A mulher tem conquistado cada vez mais o seu espaço no mercado de trabalho, e, atualmente, há diversas iniciativas de empoderamento no contexto motivacional. No entanto, são poucas as práticas de desenvolvimento de competências emocionais. Pensando nisso, a Escola de Liderança e Desenvolvimento (ELAS) surgiu em 2017 para ajudar as mulheres a mudar atitudes e posturas, a fim de se sentirem confortáveis e fortalecidas no mundo corporativo.

“O nosso carro-chefe é um treinamento de 54 horas, em que as mulheres realmente passam por uma jornada para trabalhar as emoções, a qualidade de vida e em como elas se tornam mais influentes e articuladas nesse ambiente para que reconheçam o poder pessoal delas”, explica a CEO da UPWIT e cofundadora da ELAS, Carine Roos.

Veja também:   
Blue Tree Hotels oferece hospitalidade japonesa com receptividade brasileira
Óticas Diniz querem ser a marca mais lembrada em todo o Brasil 
Sócio da PwC destaca que pequenas e médias empresas saem na frente quando se fala em inovação 
AlphaGraphics se reinventa na indústria gráfica 
Mahogany aposta em lojas “light” e dribla crise econômica brasileira  
Grupo Ornatus se adapta e aproveita crise econômica para “expansão vertical”  
Rede de camisetas Piticas aposta no segmento de cultura pop e planeja expansão    
Chocolândia: de bomboniere a rede de supermercados   
Estratégia multicanal da Polishop atrai novo consumidor

O treinamento intensivo já conta com mais de 180 mulheres formadas, das quais aproximadamente de 40% delas já foram promovidas ou receberam aumento salarial em seus empregos.

A atuação das mulheres nas empresas contribui para a eficiência econômica. De acordo com um levantamento feito pela consultoria McKinsey – apontado por Carine –, se todos os países alcançassem a equiparação de gêneros, US$ 28 trilhões seriam adicionados ao produto interno bruto (PIB) anualmente até 2025.

“Menos de 15% das empresas têm mulheres no comando no País, ou seja, temos mais de 80% das decisões de necessidade de consumo das novas escolhas nas empresas definidas por homens. Se temos uma população cada vez mais diversa, como as decisões de representatividade significam para os consumidores?”, questiona a CEO da AMG Inovação e cofundadora da ELAS, Amanda Gomes. Segundo Amanda, as grandes líderes que existem têm de refletir como elas são diversas e o quanto podem ajudar no crescimento das empresas, bem como nas vendas.

Saiba mais sobre a ELAS no vídeo a seguir: