Negócios

14/02/2018

Empresas tentam reduzir abandono de carrinho no e-commerce

Experiências negativas na navegação estão entre as principais razões que levam os clientes a desistir de compras

Empresas tentam reduzir abandono de carrinho no e-commerce

Recuperar o carrinho abandonado exige planejamento e agilidade por parte do empresário, aponta Pedro Guasti, CEO da Ebit e presidente do Conselho de e-commerce da FecomercioSP 
(Arte: TUTU)

Com informações de Barbara Oliveira / Foto Rubens Chiri

Problemas técnicos no site, frete caro, prazos de entrega longos e falta de outras opções de pagamento são alguns dos motivos que fazem o cliente abandonar a compra prestes a efetivá-la.

Pesquisas de empresas especializadas em comércio eletrônico indicam que o índice de abandono no checkout é acima de 80% no Brasil. Segundo a Forrester Research, a média mundial é de 50%.

Veja também:
Confiança que traz lucro: sites que mostram ser seguros tendem a vender mais
Prejuízos causados pelo roubo de cargas afetam cadeia de comércio eletrônico
Do pequeno ao grande: a importância do e-commerce para o setor de comércio e serviços

Entre os produtos, os eletroeletrônicos são os menos deixados de lado. Eles registram 68% contra a média geral de 82,4%. Isso porque eles têm um tíquete mais alto, e o cliente já pesquisou muito antes de decidir pela compra.

Mas como reverter a situação e lucrar a mais com as vendas online? Essas e outras dicas estão na edição 54 da revista Comércio & Serviços, editada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Segundo o CEO da Ebit e presidente do Conselho de e-commerce da FecomercioSP, Pedro Guasti, recuperar o carrinho abandonado exige planejamento e agilidade por parte do empresário.

“É preciso agir com inteligência e rapidez para resolver esses gargalos, especialmente as pequenas e médias empresas, que não têm muito conhecimento de tecnologia nem liberdade para mexer nas plataformas eletrônicas padronizadas do mercado”, alerta Guasti.

A edição de janeiro e fevereiro da C&S pode ser acessada aqui.