Economia

23/11/2018

Expectativa para o Natal altera positivamente resultados do Índice de Estoques

O indicador mostrou que em novembro 56,9% de empresários entrevistados declararam estar com os estoques adequados

Expectativa para o Natal altera positivamente resultados do Índice de Estoques

Pesquisa indica ainda que 30,7% dos entrevistados afirmaram estar com estoques excessivos e 12% de estoques baixos
(Arte: TUTU)

Os empresários devem fazer avaliações um pouco mais otimistas para as vendas do Natal, mas responsáveis, já que dificilmente investidores e consumidores assumirão posturas ousadas neste fim de ano. Essa previsão de demanda é importante tanto para a gestão do estoque no último mês de 2018 quanto para o começo do ano que vem.

O fim do período eleitoral e a aproximação do Natal alteraram positivamente os resultados do Índice de Estoques (IE), apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Veja também:
Varejista paulista deve avaliar oportunidade de contratar temporários
Inadimplência elevada na cidade de São Paulo inibe consumo
Em boa fase de consumo, varejo do Estado de São Paulo fatura R$ 57,5 bilhões

Em novembro, o indicador mostrou que 56,9% de empresários entrevistados estão com os estoques adequados. O número próximo da média histórica pré-crise de 60% é maior que o registrado no mês passado e em novembro do ano anterior.

Segundo a Entidade, o que puxou o crescimento da adequação foi a redução da proporção de empresários que vê seus estoques como excessivos, enquanto que a proporção dos entrevistados com estoques baixos se manteve praticamente estável. Em novembro, os empresários registraram 30,7% de estoques excessivos (queda de 2,4 pontos porcentuais em comparação com o mês anterior) e 12% de estoques baixos (recuo de 0,2 ponto porcentual).

A FecomercioSP entende que o ambiente de negócios pode ainda melhorar neste ano justamente por causa do Natal, a mais importante data para o varejo, mas ressalta que o País precisa voltar a gerar emprego, ampliando o consumo das famílias e o mercado de crédito.