Economia

10/10/2018

Inadimplência sobe e famílias tendem a mudar perfil de consumo

Empresário deve ajustar estoques e negociar prazos de pagamento e preços com fornecedores

Inadimplência sobe e famílias tendem a mudar perfil de consumo

Com alta da inadimplência, famílias devem adotar uma postura mais cautelosa, evitando comprometer a renda futura
(Arte/Tutu)

O alto grau de desemprego ainda dificulta a vida financeira dos paulistanos e, com isso, a inadimplência na cidade de São Paulo cresceu pela terceira vez consecutiva em setembro. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) revelou que 20,6% das famílias da capital afirmaram ter alguma dívida em atraso, a maior taxa desde maio de 2012. No total, são quase 804 mil famílias nessa situação.

Diante desse cenário, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) acredita que as famílias adotarão uma postura mais cautelosa, priorizando a compra de produtos essenciais e evitando comprometer sua renda futura. Tal comportamento deve ser notado até a definição do cenário eleitoral e da sinalização de qual será a política econômica do próximo governo. Por esse motivo, é fundamental que, nesse momento, os empresários ajustem seus estoques, facilitem as formas de pagamento e negociem prazos de pagamento e preços com os fornecedores.

Veja também
Varejista paulista deve se preparar para entrar em 2019 com contas em dia
Faturamento do setor de serviços paulistano atinge marca histórica para mês de julho
Apesar de alta na intenção de consumo das famílias, vendas devem manter ritmo fraco nos próximos meses

Segundo a PEIC, a situação é ainda mais complicada no caso das famílias com renda abaixo de 10 salários mínimos, cuja taxa de inadimplência atingiu 25,5% em setembro, tecnicamente igual ao maior patamar histórico registrado em agosto, de 25,7%. Apesar de ter subido de 7,7% em agosto para 8,9% em setembro, o percentual de famílias com renda superior a 10 salários e com dívidas em atraso é inferior ao apurado em setembro de 2017 (9,3%).

Outro dado preocupante é o fato de 9,8% das famílias terem declarado que não terão condições de pagar as contas em atraso no próximo mês, o nível mais alto desde agosto de 2004. São 382 mil famílias nesta situação e para as famílias paulistanas com renda mais baixa esse percentual foi de 12,1%.

A proporção de famílias endividadas (que fizeram uso do crédito para adquirir algo) também teve elevação ao passar de 53,6% em agosto para 54,5% em setembro, ou seja, são 2,13 milhões de famílias na capital paulista que possuem algum tipo de dívida. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a taxa ficou tecnicamente estável.

Com 70,9%, o cartão de crédito continua sendo a modalidade com a qual as famílias mais se endividam. Na segunda posição vem os carnês com 15,4%, seguido de financiamento de casa com 12,1%, e financiamento de carro, com 11,3%.