Negócios

05/01/2018

Na contramão da crise econômica, mercado pet cresce

A boa aceitação pelos consumidores é uma tendência tanto no setor de serviços quanto no setor de varejo

Na contramão da crise econômica, mercado pet cresce

Os animais de estimação mais populares em todo o mundo são os cães e os gatos, embora muitos tenham em casa roedores, aves e peixes
(Arte:TUTU)

Por Priscila Trindade

Os animais de estimação são considerados membros da família, e o tratamento dedicado a eles preza pelo bem-estar e conforto diários. Essa necessidade de cuidar e proteger é o impulsionador do mercado pet, que mesmo em um ano de crise conseguiu aumentar em 4,9% o faturamento, chegando a R$ 18,9 bilhões em 2016.

A boa aceitação pelos consumidores é uma tendência tanto no setor de serviços, como pet shop e hotelzinho, quanto no de varejo, que engloba rações, gaiolas e produtos de higiene, entre outros.

Para a assessora econômica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Fernanda Della Rosa, o setor tem sido beneficiado com o fator de baixa elasticidade da demanda. “Por causa do envolvimento emocional, os gastos com animais têm tido prioridade no conjunto de gastos das famílias, por isso, não sofre tanto o impacto da crise econômica”, analisa.

Veja também:
Fintechs inovam na área financeira
CEO do Grupo Bio Ritmo conta história de sucesso que começou após acidente de esqui

Além disso, ela destaca que atualmente há uma mudança demográfica no País que favorece o crescimento do setor, já que existem casais com menos filhos e um aumento considerável na longevidade dos idosos.  “Com tantos animais de estimação nas casas, o segmento demonstra que poderá se desenvolver no longo prazo”, estima.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINPET), pet food (alimentos para animais) representa 67,3% do faturamento do setor. Em seguida, estão os segmentos de serviços, como banho e tosa, com 16,8%; pet care (equipamentos, acessórios e produtos de beleza) no terceiro lugar, com 8,1% e pet vet (produtos veterinários) em quarto lugar, com 7,8%. “A variedade de produtos com diferentes faixas de preços viabiliza e facilita a compra. Grandes redes também parcelam o pagamento no cartão, o que permite a compra de maior quantidade de itens”, explica Fernanda.

No Brasil, há mais de 132,4 milhões de animais de estimação, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Calcula-se que os lares brasileiros possuam mais de 52 milhões de cães, mais de 37 milhões de aves, 22 milhões de felinos e 18 milhões de peixes. Entre os animais de estimação exóticos e menos populares estão répteis, anfíbios e invertebrados.

No mercado mundial, o Brasil está em terceiro lugar em faturamento, com uma fatia de 5,14% de um total de US$ 105,3 bilhões de faturamento em 2016.  De acordo com a Euromonitor International, o País está atrás dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Empreender
Para o empreendedor que deseja abrir um negócio no ramo de Pet Shop, é importante adotar algumas dicas para que o empreendimento tenha sucesso. Entre os problemas encontrados pelos que atuam no mercado, o presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio de São Paulo (Sindilojas-SP), Ruy Pedro de Moraes Nazarian, destaca a alta carga tributária. “As cargas tributárias incidem em mais de 50% sobre o produto final e podem prejudicar o comerciante do segmento, então é importante ter um espaço como a Câmara Setorial de Lojistas de Pet Shop para expor ideias e sugestões dos lojistas do segmento”, diz.

A FecomercioSP também traçou orientações ao empreendedor que planeja iniciar seu negócio de Pet Shop. 

Para a abertura de uma loja, elabore um plano de negócios criterioso, contemplando o mercado de atuação, concorrência, estratégia de vendas, pós-venda, logística, critérios de precificação, divulgação da loja, entre outros pontos. 

As finanças é um dos itens mais importantes para que o negócio obtenha sucesso, uma vez que um projeto mal dimensionado financeiramente poderá comprometer toda a estratégia da empresa. Por meio de controles financeiros, será possível mensurar quais investimentos necessários para a abertura do negócio, a previsão de receitas e despesas, as possibilidades de retorno do investimento e as viabilidades econômica e financeira do negócio. 

Antes de iniciar o negócio de pet shop, providencie a documentação necessária para legalizar a empresa. Procure o máximo de informações em órgãos públicos como o Conselho Regional de Medicina Veterinária, a prefeitura municipal e a Vigilância Sanitária. Em caso de comercialização de animais silvestres, é preciso verificar as exigências do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O negócio de pet shop necessita de profissionais especializados, como veterinários e tosadores de animais, além de atendentes, estoquistas e operadores de caixas. Invista na contratação desses profissionais, oferecendo, assim, uma maior oferta de produtos e serviços aos seus consumidores.

Escolha um ponto comercial que favoreça as atividades do negócio de pet shop. Verifique se o imóvel possui espaço suficiente, se o ambiente é favorável ao bem-estar dos animais e se trará conforto ao cliente. Observe também a localização do imóvel e se dispõe de vagas de estacionamento e acessibilidade ao transporte público local.

Caso o empreendedor encontre alguma dificuldade, é indicada a busca por orientação com um profissional especializado no segmento.