Sustentabilidade

05/03/2018

Sustentabilidade é respeitar limites, afirma Zysman Neiman

Professor do curso de Ciências Ambientais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) fala sobre o conceito de sustentabilidade em entrevista ao UM BRASIL

Sustentabilidade é respeitar limites, afirma Zysman Neiman

Sustentabilidade é a ideia de resolver os problemas na sua origem, o que resulta em uma política cíclica ou sistêmica
(Foto: Christian Parente)

A definição de sustentabilidade resolve o impasse que os modelos clássicos como socialismo e capitalismo não conseguiram, que é o respeito aos limites que os sistemas biológicos e naturais do planeta suportam da sociedade. Essa é a visão do pesquisador e professor do curso de Ciências Ambientais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Zysman Neiman, responsável pela décima aula do curso digital Desafios da Gestão Municipal no Brasil, produzido pelo UM BRASIL em parceria com a EACH-USP.

O acadêmico conversa com Humberto Dantas e Fernando Coelho sobre os principais avanços no conceito de sustentabilidade e afirma ser impossível o tema estar ausente nas políticas públicas dos municípios. “Não há política local possível no século 21 que não leve em consideração a sustentabilidade como eixo central”, defende Neiman.

Veja também:
FecomercioSP orienta comerciantes para simular adesão à tarifa branca de energia elétrica
Geração Y promove verdadeira corrida por projetos verdes
Santos transforma resíduos recicláveis em crédito no comércio da cidade

Ele destaca que sustentabilidade é a ideia de resolver os problemas na sua origem, o que resulta em uma política cíclica ou sistêmica, como também é chamada. “Se você pensar que as políticas têm de ser feitas de maneira que os recursos naturais possam ser usados para o bem-estar humano, mas que eles consigam se autorreciclar, você terá implantado uma política de sustentabilidade”, explica Neiman.

Para Neiman, o ponto mais difícil para alcançar o objetivo está na transformação da economia, que enxerga o sistema sustentável como limitante ao desenvolvimento. “O eixo principal mais difícil de resolver é o econômico, porque falar em recursos naturais é o óbvio, mas ninguém quer mexer no nó da questão”, finaliza.

As aulas – ministradas na EACH-USP durante o primeiro semestre de 2017 – compõem a série que discute temas como segurança pública, saúde, educação, turismo, democracia participativa, cultura e mobilidade, entre outros assuntos. Ao todo, são 13 aulas que serão divulgadas no portal da FecomercioSP semanalmente.

Confira a entrevista na íntegra: