Economia

31/05/2017

“A CLT já nasceu ultrapassada”, diz Hélio Zylberstajn

Economista e professor da USP explica que lei atual ignora conflitos nas relações de trabalho e que reforma deve corrigir distorções

“A CLT já nasceu ultrapassada”, diz Hélio Zylberstajn

Hélio Zylberstajn explica que reforma trabalhista não retira direitos dos trabalhadores
(Tutu)

Criada nos anos 1940 a partir de uma coletânea de leis da década anterior, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), legislação que regula o trabalho no País e cuja reforma está em discussão no Congresso Nacional, já nasceu ultrapassada. É o que diz o economista, professor da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Hélio Zylberstajn.

Veja também
“Brasil precisa avançar em educação para escapar da ‘armadilha da renda média’”, diz Ben Schneider
Otaviano Canuto e Pedro Henrique de Cristo debatem a eficiência das políticas públicas
“Apesar de todas as contradições, o Brasil é um mercado extraordinário”, diz o fundador da Wise Up

Em entrevista ao UM BRASIL, Zylberstajn explica que a CLT foi criada para facilitar a industrialização do País, cuja economia era até então concentrada no setor agrário. Dessa maneira, a legislação foi feita levando em conta detalhes para que o industrial não tivesse preocupação com negociações e sindicatos. Contudo, Zylberstajn diz que a lei não admitiu a existência de conflitos nas relações de trabalho.

“Ela [a CLT] foi muito detalhista em um mundo que não existe mais, então ela ficou ultrapassada totalmente. A grande velhice dela é a sua concepção”, diz o economista. “Parte de uma concepção que já era ultrapassada naquele momento, porque considera que não há conflito entre o trabalho e o capital, que são duas forças que se compõem”, completa.

Saiba mais sobre a reforma trabalhista
FecomercioSP lança cartilha com propostas para reforma trabalhista
"Crise econômica exige modernização da legislação trabalhista", diz presidente do Tribunal Superior do Trabalho
Especialistas são unânimes em ressaltar obsolescência da CLT durante seminário na FecomercioSP sobre reforma trabalhista

De acordo com o pesquisador da Fipe, há dois pontos que merecem destaque na proposta de reforma trabalhista encaminhada pelo governo federal ao Congresso Nacional: a prevalência da negociação entre as partes – trabalhadores e empregadores – sobre a legislação e o reconhecimento dos conflitos.

“A reforma está sendo muito comentada a partir de outra inovação, que é a prevalência do negociado sobre o legislado. Eu diria que mais importante ainda é essa inovação que chegou 80 anos depois [da criação da lei] que é o reconhecimento do conflito”, afirma.

Atualmente, como a lei não reconhece que as partes podem resolver conflitos, a Justiça Trabalhista é encarregada de ponderar essas questões. “Nosso sistema dá só ao juiz o direito de resolver qualquer conflito. Ele que dá a primeira e a única palavra. O que estamos criando é uma possibilidade de que haja uma primeira palavra que vai ser a negociação dos problemas”, explica Zylberstajn.

O professor da USP também diz que, atualmente, cerca de metade dos trabalhadores do País possuem contratos formais de trabalho. Ou seja, a lei em vigor não protege a todos. Por isso, defende que a comunicação sobre a reforma explique que os direitos trabalhistas não serão revogados.

“Precisa ficar bem claro que a reforma não está tirando nenhum direito dos trabalhadores. O que ela faz é proporcionar oportunidades para que os direitos que existam possam ser melhor aproveitados via negociação [entre as partes]”, ressalta.

Zylberstajn, ainda, critica os políticos que dizem que o projeto de lei vai beneficiar apenas os empregadores, mas também salienta que a reforma não tem o objetivo de criar empregos.

“É importante dizer que a reforma não está sendo feita para criar empregos. Para criar empregos, precisamos investir e voltar a crescer. O que a reforma trabalhista vai fazer é tirar inúmeras incertezas e diminuir a insegurança jurídica, e isso vai contribuir para uma melhor fluidez do mercado de trabalho”, diz o economista.

Confira a entrevista na íntegra abaixo: