Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

07/03/2017

Baixos níveis de investimento e poupança comprometem recuperação da economia

Diante da queda de 3,6% no PIB em 2016, FecomercioSP prevê recuperação gradual do quadro brasileiro, com crescimento de 1% em 2017

Ajustar texto: A+A-

Baixos níveis de investimento e poupança comprometem recuperação da economia

Federação espera fraco início de 2017, com melhora gradativa e possível crescimento de 1%, recuperação pouco expressiva diante do estrago
(Reprodução/FreePik)

Após a confirmação de mais uma queda no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro (-3,6% em 2016), a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) aponta que a recuperação da economia, em curto prazo, está comprometida pelos baixos níveis de investimentos e poupança no País, reflexos das políticas econômicas erradas adotadas em parte por desconhecimento e também por motivos ideológicos/eleitorais a partir de 2013. A baixa capacidade de investimento torna-se um forte impedimento para retomada mais robusta e rápida da economia em 2017.

De acordo com a Entidade, ao longo do ano passado, o PIB chegou a cair 4,8% no acumulado em quatro trimestres e chegou a mostrar desaceleração da queda no final do ano. Contudo, confirmou a preocupação da Federação quanto à gravidade dos efeitos continuados dos desajustes internos dos principais fundamentos econômicos que somente a partir da segunda metade de 2016 começaram a ser enfrentados.

No último trimestre do ano, o Brasil teve uma retração de 0,9% contra o trimestre anterior e de 2,5% em relação ao quarto trimestre de 2015. Este número é menos ruim do que a média do ano, que começou com queda de 5,4%, passou para 3,6%, depois 2,9% e, finalmente 2,5%, sempre sobre o mesmo período do ano de 2015. De todos os dados apresentados, o ponto crucial, segundo a FecomercioSP, continua sendo a queda do nível de investimentos e poupança. Recorrente desde 2014, para a Federação deve ser a fonte de todas as preocupações do governo e do setor privado.

O futuro segue comprometido e a Entidade não enxerga motivos para qualquer otimismo com a atividade econômica nos próximos trimestres. No quarto trimestre de 2016, houve queda de 5,4% na Formação Bruta de Capital Fixo (que mede o quanto as empresas aumentaram os seus bens de capital, ou seja, aqueles que servem para produzir outros bens), em relação ao mesmo período de 2015. No acumulado dos quatro trimestres a retração chegou a 10,2%.

A retração de investimento se deve à reduzida poupança interna, que atinge apenas 13,9% do PIB, quando em países emergentes essa taxa varia entre 25% e 30% do PIB. Ainda assim, a taxa de investimento (apesar de muito baixa) é maior do que a poupança interna: 16,4% do PIB. Ou seja, mesmo com o baixo nível de investimentos, o País continua precisando de poupança externa ao ritmo de 1,5% ao ano. Neste ambiente, a retomada do crescimento em 2017, segundo a Federação vai ocorrer muito mais pela fraquíssima base de comparação do que por condições ideais na economia, apesar da Entidade reconhecer que o atual governo tem feito grandes esforços para melhorar o ambiente de negócios e retomar o equilíbrio macroeconômico, que serão importantes aliados nesse recomeço.

Setores comprometidos
De acordo com a FecomercioSP, a pior recessão da história brasileira ilustra os efeitos perversos provocados pelo descaso do governo com o desequilíbrio macroeconômico sobre a confiança do investidor no País. A apatia do governo para estimular de forma correta, por meio de reformas e busca da eficiência e redução de burocracia, entraves e insegurança jurídica, ao longo dos últimos anos, segundo a Entidade, está custando ao País a maior taxa de desemprego da história. Sem poupança, não há como crescer de forma sustentável, o que obrigava o governo a buscar formas mais caras de financiamento interno ou no exterior.

A Federação pondera, porém, que há algum alento vindo do setor externo, com aumento recente do fluxo de investimentos (diretos e financeiros) e com recente aumento de preço das commodities, que pode ajudar neste início de retomada.

Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias continua sendo outro destaque negativo, com resultados típicos de recessão, recuando 2,9% no quarto trimestre de 2016, contra o mesmo trimestre do ano anterior e 4,2% no ano passado todo. Este resultado, segundo a FecomercioSP, era mais do que esperado diante das elevadas taxas de desemprego que se mantém muito resistentes. Somente a retomada efetiva de investimentos vai gerar empregos e renda para que se reverta essa situação.

Houve queda também no produto industrial, de 3,8% em relação a 2015, e de 2,4% em relação ao quarto trimestre de 2015, e no setor de Serviços, que caiu 2,4% na comparação com o quarto trimestre de 2015 e 2,7% no acumulado do ano.

A Federação espera que o início de 2017 será fraco, com um quadro que irá melhorar, gradativamente, podendo fechar o ano com crescimento de 1%. A recuperação será, de qualquer forma, pouco expressiva diante do estrago feito pelo desgoverno na área econômica nos últimos três anos. Para que o Brasil reestabeleça padrões de consumo e produção aos patamares de 2013/2014, a Entidade pontua que serão necessários algo como três ou quatro anos mais constantes.

A FecomercioSP acertou ao longo de 2015 ao apontar a expectativa em relação aos aumentos expressivos das taxas de desemprego e inflação, que se confirmaram entre 2015 e 2016. Neste momento, a Federação espera também estar antecipando a provável retomada, ainda que tímida, já a partir deste ano.

Fechar (X)