Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

03/07/2017

Incerteza na política e juro real elevado favorecem investimentos em renda fixa

Investidor deve ficar atento a eventuais aprovações das reformas trabalhista e da Previdência

Ajustar texto: A+A-

Incerteza na política e juro real elevado favorecem investimentos em renda fixa

Mesmo com juros mais baixos, renda fixa continua atrativa
(Tutu)

Após mais de um mês da divulgação de denúncias envolvendo políticos de renome nacional, incluindo o presidente da República, o País segue em um ambiente de incerteza, o que prejudica a capacidade preditiva da economia brasileira.

Vejá também
Tensão política sinaliza mudanças nas estratégias de investimento
Investidor pode buscar mercados alternativos para diversificar investimentos
Apesar de desemprego em alta, gastos de brasileiros no exterior crescem 43% neste ano até abril

Como a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) havia previsto, as denúncias não levaram o País ao caos, porém, a situação política ainda está longe de se resolver.

Desta forma, o cenário para investimentos mostra que a renda fixa, mesmo com juros mais baixos, continua atrativa. Se a Selic e os juros futuros caíram, e é verdade, a inflação caiu ainda mais. O IPCA acumula alta de 3,60% em 12 meses (até maio), tornando as taxas de juros reais no país muito elevadas. No ritmo atual, os juros reais excedem 0,5% ao mês, algo que não é visto em nenhum lugar do mundo.

Com a atratividade da renda fixa e a incerteza na política nacional, o incentivo para investir em ações é reduzido. Vale destacar, contudo, que o Ibovespa, principal índice de ações da bolsa de valores brasileira, tem se mantido acima dos 61 mil pontos, mostrando resistência nesse período turbulento.

Por trás disso há a expectativa que a solução para o impasse na política virá gradativamente e, mesmo após as denúncias mais recentes, a tendência é de retomada da economia. Portanto, o indicador do mercado acionário não caiu tanto porque muitos investidores estão dispostos a manter as aplicações à espera da recuperação econômica do País.

De todo modo, o investidor deve se resguardar com aplicações em renda fixa e ficar atento ao cenário político acompanhando, principalmente, o trâmite final da reforma trabalhista e os próximos passos da reforma da Previdência. Esta última, sendo encaminhada com boas chances de aprovação no Congresso Nacional, certamente fará com que os juros caiam mais rapidamente, devendo estimular a compra de ações. Este será o momento para fazer uma mudança na carteira de investimentos, repassando parte importante das aplicações em renda fixa para o mercado de ações.

Caso ocorra uma sinalização que o projeto de reforma da Previdência não prosseguirá, a sugestão é manter a atenção aos rendimentos de renda fixa.