Economia

25/08/2017

Índice de Expansão do Comércio sobe pelo segundo mês consecutivo em agosto

Segundo a FecomercioSP, crescimento do PIB no primeiro trimestre e dados positivos no mercado de trabalho, além da queda nos juros e inflação sob controle motivaram alta no período

Índice de Expansão do Comércio sobe pelo segundo mês consecutivo em agosto

Para a Fecomercio, a tendência de recuperação é relevante e deve ser confirmada nas próximas pesquisas realizadas (Arte: TUTU)

Os empresários do setor do comércio estão mais confiantes na retomada da economia no segundo semestre, graças aos recentes números positivos no mercado de trabalho formal, à recuperação gradual da atividade industrial, ao declínio dos juros e da inflação e ao crescimento do PIB no primeiro trimestre, após oito trimestres consecutivos de queda. É o que aponta o Índice de Expansão do Comércio (IEC), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Após ficar estável em junho, em razão da crise política, o IEC cresceu pelo segundo mês consecutivo em agosto, com alta de 0,7%, ao passar de 93 pontos em julho para 93,7 pontos em agosto. Na comparação com o mesmo mês de 2016, houve expressiva elevação (20,3%). A pesquisa é realizada mensalmente pela FecomercioSP. 

Veja também
Setor atacadista paulista soma três meses consecutivos de saldo positivo no mercado de trabalho
Varejo paulista elimina 30.657 empregos no primeiro semestre deste ano, aponta FecomercioSP
Nível de estoques do varejo tem ligeira alta em agosto e já sinaliza retomada econômica

Segundo a assessoria econômica da Federação, a tendência de recuperação é relevante e deve ser confirmada nas próximas pesquisas realizadas pela Entidade.

O desempenho foi motivado pela alta de 1,2% da expectativa para contratação de funcionários, que passou dos 112,7 pontos em julho para 114,1 pontos em agosto, a maior pontuação desde dezembro de 2014. Na comparação com o mesmo mês de 2016, quando o indicador marcava 94,5 pontos, o crescimento foi de 20,8%. Já o nível de investimento das empresas ficou estável em agosto, em 73,3 pontos. Em relação a agosto de 2016, quando o índice estava em 61,3 pontos, a alta foi de 19,6%.

Para a Entidade, as reformas e os ajustes em discussão dão confiança aos empresários e geram um ambiente mais propício para o efetivo crescimento dos investimentos, ao menos no médio prazo. O encaminhamento e a aprovação da Reforma da Previdência terão efeitos relevantes para percepção da condição de equilíbrio das contas públicas e, consequentemente, na propensão dos empresários de investir e contratar. A Reforma Política, que pretende reduzir o número de partidos e melhorar a representatividade dos eleitores, e a Reforma Tributária, que tem o objetivo de mitigar a guerra fiscal entre os Estados, também são importantes para a percepção dos empresários.

A FecomercioSP acredita que sinais mais claros de aprovação das três reformas citadas traria excelentes resultados atrelados à confiança de consumidores e empresários.