Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

14/09/2020

Varejo deve ter queda de 7,7% e fechar mais de 200 mil empresas no País em 2020

Estudo da FecomercioSP aponta que prejuízo nas vendas deve chegar a R$ 170,1 bilhões, dos quais 92% se concentram nos setores restringidos pela pandemia

Ajustar texto: A+A-

Varejo deve ter queda de 7,7% e fechar mais de 200 mil empresas no País em 2020

Estudo indica que, sem o auxílio emergencial, vendas no varejo cairiam 14,6% em 2020
(Arte/Tutu) 

O comércio varejista brasileiro deve registrar queda de 7,7% em 2020, de acordo com projeção da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Em números absolutos, o prejuízo é estimado em R$ 170,1 bilhões. Os setores que tiveram as operações restringidas, como forma de conter a proliferação do coronavírus, devem responder por 92% da baixa nas vendas.

Além disso, no decorrer do ano, 202.744 estabelecimentos varejistas devem fechar as portas, dos quais 196.989 são Micros, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs). Com isso, o número de pessoal ocupado no setor deve ser reduzido em 979.206 em 2020.

Veja também
Em sete meses, varejo paulista elimina mais empregos do que no mesmo período dos três anos anteriores juntos
FecomercioSP consegue veto de projeto de lei que exigia cabine de desinfecção no comércio
Como os indicadores econômicos podem ajudar o empreendedor? 

As estimativas foram feitas com base nos dados apurados de janeiro a junho deste ano pela Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e pela Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV), organizada pela Federação, levando em conta o pagamento do auxílio emergencial até o mês de setembro – embora prorrogado até o fim do ano pela Medida Provisória (MP) 1.000/2020, a extensão do benefício, no valor de R$ 300, ainda deve ser avaliada pelo Congresso Nacional.

Sem a injeção do auxílio emergencial, a análise indica que as vendas no varejo despencariam 14,6% neste ano em todo o País.

De todo modo, a projeção de queda de 7,7% se deve ao aumento acima do esperado da taxa de desemprego, que atingiu 12,4% em junho. Em consequência disso, além da queda na renda das famílias, espera-se um menor aporte no décimo terceiro salário, o que prejudica o varejo no quarto trimestre, período responsável por 30% das vendas.

A análise aponta que 53% do prejuízo estimado para o ano (R$ 90,1 bilhões) foram registrados no primeiro trimestre. Com isso, apesar da reabertura gradual dos estabelecimentos comerciais, a baixa no segundo semestre ainda será considerável (R$ 80 bilhões), correspondendo a 47% do total, em decorrência do aumento do desemprego, da apreensão dos consumidores para circular nos centros comerciais e do baixo nível de confiança na economia.

De acordo com o levantamento, as atividades restringidas pela pandemia devem cair 22,6% em 2020, enquanto a baixa nos setores essenciais será bem mais branda (-0,8%). Além disso, estima-se que apenas supermercados e farmácias cresçam neste ano. Sem a expansão destes segmentos, o prejuízo total do varejo poderia chegar a R$ 243 bilhões.

info__projecao-de-varejo-para-2020

Estado de São Paulo

O estudo também traz estimativas para o varejo no Estado de São Paulo e na capital paulista. O comércio varejista paulista deve cair 3,7% em 2020, com prejuízo de R$ 27,8 bilhões. Vale notar que, diferentemente da projeção nacional, o prejuízo no varejo estadual deve ser maior no segundo semestre (59%).

A estimativa negativa se deve exclusivamente às atividades que tiveram suas operações limitadas pela pandemia, cuja perda deve somar R$ 34,1 bilhões. Já as atividades essenciais, por outro lado, devem ter um aumento de R$ 6,2 bilhões no faturamento em relação a 2019.

No Estado de São Paulo, além dos supermercados, cujo desempenho em 2020 deve chegar a R$ 11,6 bilhões, somente as farmácias e as lojas de materiais de construção devem registrar resultados positivos.

O varejo paulista, no entanto, deve perder 64.155 empresas e ver o número de pessoal ocupado cair 393.150 em 2020.

Capital paulista

Em termos relativos, o impacto da pandemia no varejo da capital paulista pode ser mais profundo do que no Estado de São Paulo. As vendas devem amargar uma queda de 7% na maior cidade do País. O prejuízo é estimado em R$ 16 bilhões, dos quais 98% se referem aos segmentos restringidos pela pandemia. Não fosse pelos resultados positivos de supermercados e farmácias, a perda poderia chegar a R$ 19 bilhões.

Na capital, o pior momento já passou, uma vez que o primeiro semestre concentrou 64% do prejuízo estimado para 2020. Isso se deve ao fato de a cidade de São Paulo ter sido o epicentro da primeira fase da pandemia no País, o que exigiu, de forma contundente, isolamento social e interrupção temporária dos atendimentos presenciais no varejo não essencial.

Estima-se que 16.742 estabelecimentos varejistas fechem as portas na capital paulista em 2020. A redução no número de pessoal ocupado deve chegar a 128.997.

Análise geral

O auxílio emergencial foi e será fator importante para mitigar uma queda mais profunda nas vendas do varejo, mas não suficiente para impedir que, neste ano, o setor registre uma das maiores contrações no faturamento anual, com fechamento de mais de 200 mil estabelecimentos e redução de quase 1 milhão de empregos em todo o País.

No entanto, o quarto trimestre, período mais forte de vendas no comércio, será decisivo para o resultado geral do varejo, de modo que a continuidade do benefício emergencial se mostra fundamental para atenuar os prejuízos decorrentes da pandemia de coronavírus.