Sustentabilidade

07/08/2017

Bicicleta-táxi traz opção sustentável para o transporte

Aplicativo Bikxi chega a São Paulo e promete cobrar tarifas mais baratas do que ônibus, táxi e Uber

Bicicleta-táxi traz opção sustentável para o transporte

Nos primeiros meses de funcionamento, a empresa contará com uma frota de 11 bicicletas do modelo Tandem e 22 ciclistas (Foto: Carlos Alkmin/Bikxi)

Bicicleta que é táxi. O modelo, inédito no mundo, vira realidade na capital paulista a partir desse mês de agosto. O aplicativo Bikxi já está em fase final de teste e vai oferecer transporte com um ciclista como condutor.

"Buscamos criar a primeira alternativa sustentável para o deslocamento urbano em grandes cidades que não acarrete em maior número de carros, congestionamento e poluição. Está na hora de uma mudança de paradigma em mobilidade urbana, conta o presidente da Bikxi, Danilo Lamy.

A empresa aposta no fator “novidade” para atrair os clientes, já que não há nada igual no mercado nacional. Nos primeiros meses de funcionamento, a empresa contará com uma frota de 11 bicicletas do modelo Tandem e 22 ciclistas. Uma particularidade muito interessante é que, além de as bikes possuírem um auxilio elétrico no eixo dianteiro, têm a roda livre na pedivela do passageiro, dessa forma, quem vai atrás não precisa pedalar.

Veja também
Despoluição dos lagos do Ibirapuera será feita com plantas filtrantes nativas
Comerciantes podem se tornar pontos de entrega de pilhas e baterias no Portal de Logística Reversa da FecomercioSP
Solução vencedora do Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade gera projeto de alto impacto

“O passageiro que quiser poderá ficar atrás só curtindo o passeio. Agora, se ele preferir sentir a sensação de usar a bicicleta pedalando, ele também terá essa opção sem nenhum custo adicional”, explicou o diretor de operações e relações públicas, Felipe Aragonez.

Segundo os idealizadores do projeto, as bicicletas são bastante confortáveis, possuem “porta-luvas” para piloto e passageiro e ainda têm bagageiro atrás. Também contam com retrovisor e iluminações traseira e dianteira. “No momento, estamos em busca de uma seguradora para proteger o ciclista, o passageiro e, até mesmo, o próprio equipamento de eventuais acidentes. O cliente terá de usar um capacete durante o trajeto e, para se sentir mais à vontade, poderá fazer o uso de toucas higiênicas descartáveis antes de colocar o equipamento”, disse Aragonez.

No serviço, o usuário chama o ciclista pelo aplicativo instalado no celular, com trajeto e valor previamente definidos, e pagamento feito pelo cartão de débito ou crédito. A Bikxi promete cobrar tarifas mais baratas do que o transporte público, táxi ou Uber nas duas rotas (de ciclovias e ciclofaixas) inclusas na fase inicial: Berrini–Faria Lima e Vila Mariana–Paulista. Ambos os trajetos foram definidos com base em pesquisas que indicaram demanda e infraestrutura para implementação do serviço.

“Nossa intenção é transportar todo mundo. Fazemos alguns testes, levamos mães com crianças de colo (com o uso de sling, acessório de tecido que permite à mãe levar a criança junto ao tórax). Já levamos quem tem dificuldade motora. Temos um projeto de levar pessoas com deficiências visuais. Queremos transportar todos com segurança e rapidez.”

Desafios

Um dos maiores desafios para o serviço ganhar escala é a insegurança gerada pelo trânsito paulistano. “É um fator que afugenta as pessoas, e elas acabam deixando de lado essa nova opção de transporte menos poluente e até mais rápido”, pontuou a assessora técnica do Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP, Cristiane Cortez.

Ainda de acordo com ela, o relevo da cidade pode ser outro fator prejudicial para a formação de uma cultura de transporte por bicicletas. “A topografia não ajuda. Locais planos convidam mais a pedalar.”

Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) lançou a sexta edição do Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade, com inscrições abertas até 20 de novembro de 2017.

A nova edição tem como tema os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Trata-se de uma agenda mundial adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU), com 169 metas a serem atingidas pela humanidade até o ano de 2030. Essas medidas envolvem ações nas áreas de consumo e produção sustentáveis, erradicação da pobreza, segurança alimentar, agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, entre outras.

Serão reconhecidos projetos com foco nos princípios da sustentabilidade. As categorias contempladas são: empresa; indústria; órgão público; academia; reportagem jornalística; e entidades empresariais.

Os finalistas serão anunciados em fevereiro de 2018. Os vencedores receberão títulos de capitalização ou previdência, no valor de R$ 15 mil, e troféu. Os trabalhos classificados em segundo e terceiro lugares também serão reconhecidos.