Negócios

27/11/2018

Burocracia custa R$ 79 bilhões por ano às pequenas e médias empresas nacionais

Estudo internacional aponta que cumprimento de tarefas administrativas consome 120 dias de trabalho no País

Burocracia custa R$ 79 bilhões por ano às pequenas e médias empresas nacionais

Pesquisa indica que Brasil é um dos países que mais gastam tempo com tarefas administrativas
(Arte/Tutu) 

As horas que as pequenas e médias empresas brasileiras gastam para cumprir exigências burocráticas custam R$ 79 bilhões para a economia do País. De acordo com um estudo da empresa britânica de software de gestão Sage, pequenos e médios negócios desperdiçam 120 dias por ano para realizar tarefas administrativas.

A pesquisa “O Impacto da Burocracia” mostra que, no mundo, o tempo gasto com papelada até a primeira quinzena de agosto deste ano corresponde a R$ 900 bilhões. O estudo também aponta que o porcentual de tempo perdido com serviços administrativos no Brasil é de 6,5%, taxa inferior apenas às registradas na França (7,7%) e na Espanha (10,5%), entre os 11 países analisados.

Veja também
Lei dispensa reconhecimento de firma e autenticação de documentos para apresentação em órgãos públicos
FecomercioSP é favorável ao Empreenda Fácil e considera o programa um passo à frente na desburocratização brasileira
Diretor do Instituto Desburocratizar (iDESB) reforça importância da desburocratização para melhorar ambiente de negócios

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) ressalta que o tempo gasto preenchendo relatórios para cumprir exigências legais diminui a produtividade das empresas nacionais. Além disso, os entraves burocráticos estão presentes em todas as fases da empresa – na abertura, no funcionamento e, inclusive, no encerramento.

Como forma de reduzir a burocracia e, assim, criar um ambiente mais favorável ao empreendedorismo, a Entidade propõe que o governo simplifique e unifique as chamadas “obrigações acessórias”. A necessidade de entrega de diversas declarações faz as empresas gastarem tempo e recursos humanos – e, muitas vezes, impactam o setor financeiro. Um eventual descumprimento acarreta multa. Por isso, a Federação defende que todas as obrigações acessórias sejam unificadas em um documento, com um só prazo de entrega, de modo que as empresas sejam menos oneradas e possam empregar mais recursos na atividade produtiva, gerando emprego e renda.

A legislação é outro agravante da burocracia no País. De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), o Brasil edita mais de 700 normas tributárias por dia útil, o que gera uma enorme insegurança jurídica e prejudica os investimentos.

A edição de um novo Código Comercial é uma maneira de mitigar o excesso de leis impostas ao setor privado e de regular as atividades empresariais, a fim de estimular o ambiente de negócios.

O estudo da Sage foi realizado com mais de 3 mil empresas em 11 países – Reino Unido, França, Irlanda, Espanha, Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Austrália, África do Sul, Singapura e Brasil, mercados nos quais pequenos e médios negócios respondem por pelo menos 96% da atividade empresarial.