Negócios

03/01/2018

Confiança que traz lucro: sites que mostram ser seguros tendem a vender mais

Dos cuidados simples às ferramentas detalhadas, o mercado oferece opções para aumentar a confiança dos clientes no e-commerce

Confiança que traz lucro: sites que mostram ser seguros tendem a vender mais

Informar dados da loja virtual (ou física) como endereço, telefone, história e fotos da empresa, por exemplo, ajuda a aumentar a credibilidade do e-commerce
(Arte/TUTU)

Por Júlia Matravolgyi

O número de brasileiros com acesso à internet e aos smartphones fica maior a cada ano, o que aumenta também o mercado em potencial de consumidores online. No primeiro semestre de 2017, o comércio eletrônico no País faturou R$ 21 bilhões, crescimento de 7,5% na comparação com mesmo período do ano anterior, de acordo com estudo da Ebit.

Para aproveitar a expansão desse mercado (no período analisado pelaEbit, 25,5 milhões de brasileiros fizeram, ao menos, uma compra virtual), as empresas que desejam vender pela web precisam conquistar a confiança dos consumidores, investindo em páginas que sejam – e aparentem ser, de forma clara aos olhos do consumidor – confiáveis.

Veja também:
Do pequeno ao grande: a importância do e-commerce para o setor de comércio e serviços
FecomercioSP recebe evento sobre impacto da transformação digital no setor de comércio e serviços

“A reputação de lojas virtuais pode ser obtida com base em informações como selos de confiança e certificação como o disponibilizado pela Ebit, onde os consumidores podem checar as experiências de compra de outros clientes ou da lista de lojas não recomendadas disponibilizada pelo Procon, por exemplo”, explica o presidente do Conselho do Comércio Eletrônico da FecomercioSP e CEO da Ebit, Pedro Guasti. “Lojas que somente oferecem boletos como forma de pagamento e ofertam produtos eletrônicos a preços muito abaixo dos oferecidos pela concorrência também podem ser sinais de eventuais problemas”, alerta Guasti.

Comerciantes e consumidores precisam ficar atentos a alguns detalhes nos sites de vendas – os primeiros, para garantir que suas páginas tenham características que transmitam confiança ao consumidor; e os clientes para não fornecerem dados pessoais e bancários em sites que podem não ser idôneos.

“Para realizar compras online com segurança, os consumidores devem verificar se o site possui um certificado de segurança”, diz a diretora de Marketing para a GoDaddy no Brasil, Valéria Molina. “Para fazer essa identificação, assim que acessar o site, um ícone de cadeado e o prefixo HTTPS (não apenas HTTP) devem aparecer na barra do navegador perto do endereço do site”, detalha. “Com essa proteção, os dados informados, como cartão de crédito, CPF, nome, endereço, serão criptografados garantindo proteção adicional.”

Comerciantes
Os empresários podem usar estratégias para melhorar a percepção que os clientes têm de suas páginas. Informar dados da loja virtual (ou física) como endereço, telefone, história e fotos da empresa, por exemplo, ajuda a aumentar a credibilidade do e-commerce. Além disso, disponibilizar política de privacidade, troca e devolução de pedidos e cumprir os prazos prometidos de entrega e troca e devolução é fundamental para uma boa reputação para empresas de qualquer porte, sem gerar custos diretos para o empresário.

Ferramentas mais complexas também contribuem para a experiência do consumidor. “Empresários do comércio eletrônico precisam implementar ferramentas de detecção a fraudes”, explica Guasti. Segundo ele, para o caso de vendas fora do Brasil, os cuidados são ainda maiores, já que existe a preocupação de compreender o comportamento de compra global. “Existem no mercado brasileiro ferramentas para análise de risco disponibilizadas por agentes financeiros, adquirentes e gateways de pagamento sobre as quais o empresário deve se informar e contratar”, completa.