Economia

15/06/2018

Fazer reforma educacional é um propósito moral, afirma Michael Barber

Mudança nas políticas públicas é vista pelo educador e pesquisador britânico como imprescindível para que as futuras gerações tenham boas formações

Fazer reforma educacional é um propósito moral, afirma Michael Barber

Especialista diz que a configuração brasileira dificulta a implementação de políticas sob o ponto de vista federal, mas a diversidade de Estados e cidades permite que novos modelos sejam postos em prática
(Foto: Christian Parente)

Fazer uma reforma educacional no Brasil para que as futuras gerações tenham boas formações é mais do que uma necessidade, é um propósito moral. Essa é a visão do educador e pesquisador britânico Michael Barber.

“O século 21 é uma era fantástica para os que tiveram uma boa educação e um lugar assustador para os que não tiveram. Os subempregos estão desaparecendo, e quando existem, pagam muito pouco”, explica o especialista em debate promovido pelo UM BRASIL. 

A conversa contou com a participação do jornalista Leandro Beguoci, da professora de Estudos Organizacionais, Poder e Política Organizacional e Decisão e Negociação do Insper, Patrícia Tavares, e do gerente de políticas públicas educacionais da Fundação Lemann, David Boyd.

Veja também:
Municipalização do ensino é tema de debate do UM BRASIL
Educadores debatem boas práticas do ensino na sala de aula
“À medida que se universalizou o acesso à educação, prestamos pouca atenção em qualidade”, observa Eduardo Mufarej

Barber, que participou de reformas em diferentes áreas no Reino Unido, entende o desafio de implementar um novo currículo nacional em um país extenso e com uma série de diferenças regionais como o Brasil.

Para ele, embora a configuração brasileira dificulte a implementação de políticas universais sob um ponto de vista federal, a diversidade de Estados e cidades permite que novos modelos sejam postos em prática.

Como exemplos, ele cita a redução da taxa de homicídios em Pernambuco e a reforma educacional feita em Minas Gerais. “Seja o que estiver acontecendo no Brasil como um todo, sempre haverá uma cidade ou um Estado que está fazendo um trabalho fantástico. É um experimento constante”, diz.

O pesquisador e também fundador e presidente da Delivery Associates, empresa de consultoria que trabalha com governos e outras organizações para gerar melhores resultados para os cidadãos, diz que há várias formas de mudar políticas públicas com base em sistemas federais. Uma delas é por meio de ações do governo, e outra é quando alguns Estados e países mostram um caminho e os demais tentam segui-lo. “São todos aspectos positivos da diversidade”, aponta Barber.

Confira a entrevista na íntegra: