Economia

03/10/2018

Mesmo com aumento da confiança do empresário é preciso ponderar sobre as preparações para o Natal

Confiança do empresário do comércio paulistano volta a subir após a sequência de cinco quedas e FecomercioSP recomenda cautela nas decisões de investir e contratar para a época natalina

Mesmo com aumento da confiança do empresário é preciso ponderar sobre as preparações para o Natal

Houve uma tênue melhora na confiança do empresário, mas o resultado é ainda insuficiente para acelerar definitivamente a economia do País
(Arte: TUTU)

O comerciante da cidade de São Paulo precisa analisar com moderação os pedidos de encomendas de Natal junto aos fornecedores — que começam nesse período — e a seleção para contratações visando as vendas dessa data comemorativa. Isso porque as vendas podem ser fracas e o indicado é focar no ajuste dos estoques.

Ainda que as expectativas para o consumo sejam baixas, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio no Município de São Paulo (ICEC) interrompeu a sequência de cinco quedas e atingiu os 101,8 pontos em setembro, alta de 1,4%. Em comparação com o mesmo mês de 2017, porém, o indicador ficou 4,2% menor. O ICEC é medido mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Veja também:
Potencial do mercado de crédito será mais explorado após as eleições
Apesar de alta na intenção de consumo das famílias, vendas devem manter ritmo fraco nos próximos meses
Índice de Expansão do Comércio caiu 1,6% em setembro, na comparação interanual

Dos três quesitos que compõe o indicador, apenas o Índice de Investimento do Empresário do Comércio - (IIEC) apresentou queda (-0,6%) e passou para os atuais 89,8 pontos em setembro. O Índice das Condições Atuais do Empresário do Comércio - (ICAEC) cresceu 0,6%, e registou 70,8 pontos em setembro. E o Índice de Expectativa do Empresário do Comércio - (IEEC) teve aumento de 3,1% e atingiu 144,8 pontos.

A FecomercioSP enxerga que houve uma tênue melhora na confiança do empresário, mas o resultado é ainda insuficiente para acelerar definitivamente a economia do País. Após as eleições, em outubro, clientes e empresários podem se sentir mais seguros para elevar o consumo e investir em mão de obra (geração de empregos).

Por porte
Na segmentação por porte, tanto as pequenas quanto as grandes empresas apresentaram alta na comparação mensal. A confiança das empresas com até 50 empregados cresceu 1,4% e atingiu 101,2 pontos ante os 99,8 pontos do mês de agosto. Com isso, esse indicador voltou para o patamar de otimismo (acima de 100 pontos). Na comparação interanual, é a terceira queda consecutiva da confiança dos pequenos empresários, de -4,5%.

O ICEC para as empresas com mais de 50 empregados registrou aumento de 2,7%, passando para 130,7 pontos em setembro. Essa é a maior pontuação para um mês de setembro desde 2013.