Economia

26/12/2018

Parcela de empresários do varejo com estoques adequados cai em dezembro, aponta FecomercioSP

Segundo a Entidade, queda de 1,8% neste mês se deve ao aumento da inadequação abaixo, ou seja, mais empresários reclamando da falta de estoques

Parcela de empresários do varejo com estoques adequados cai em dezembro, aponta FecomercioSP

Apesar da queda mensal, índice tem comportamento condizente com a onda de otimismo deste fim de ano
(Arte: TUTU)

Após duas altas consecutivas, o Índice de Estoques (IE) do comércio varejista paulistano caiu em dezembro, ao passar de 114,3 pontos em novembro para 112,3 pontos neste mês, queda de 1,8%. Em relação ao mesmo período do ano passado, o IE registrou alta de 9%.  

Os dados são levantados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e captam a percepção dos varejistas sobre o volume de mercadorias estocadas nas lojas, variando de zero (inadequação total) a 200 pontos (adequação total). A marca dos cem pontos é o limite entre inadequação e adequação.  

Veja também:
Faturamento do varejo brasileiro na semana que antecede o Natal foi R$ 1,7 bilhão superior a 2017, estima FecomercioSP
Após período eleitoral, 2019 deve consolidar retomada da economia, com elevação de 3% do PIB
Intenção do empresário em investir e contratar cresce em dezembro 

De acordo com a assessoria econômica da Entidade, apesar da queda mensal, o IE ainda mostra comportamento condizente com a onda de otimismo deste fim de ano, principalmente por causa dos resultados eleitorais, que, na visão do empresariado, é uma oportunidade para a retomada da economia. A queda de 1,8% em dezembro referente a novembro se deve ao aumento da inadequação abaixo, ou seja, mais empresários reclamando da falta de estoques em relação ao que se via nos meses passados.  

Em dezembro, 56% dos empresários consideraram seus estoques adequados, queda de 0,9 ponto porcentual (p.p.) em relação ao mês anterior. A proporção de comerciantes que declararam ter excesso de mercadorias nas prateleiras caiu 1,1 p.p. (29,5%). Já os que consideram ter estoques baixos subiu 2,2 p.p. (14,2%).  

Para a Federação, os números melhoraram, entretanto, os dados do período anterior à crise econômica de 2014 a 2016 indicavam um patamar histórico com média de 60% de adaptação, enquanto 25% dos empresários tinham estoques acima do adequado naquele momento.  

Ainda de acordo com a Entidade, o aquecimento dos indicadores qualitativos da FecomercioSP está apontando para uma onda positiva de atitudes tanto de consumidores quanto de empresários, que começou logo na virada de outubro para novembro e se intensificou em dezembro. Como a Entidade vinha alertando ao longo dos últimos meses, dificilmente investidores e consumidores assumiriam posturas ousadas diante de muitas dúvidas e incertezas que se colocavam sobre o destino do País. No entanto, ainda restam focos de dúvidas após a posse do novo governo, que deve passar da proposta de uma agenda reformista para a apresentação efetiva de projetos e obter boa aceitação do Congresso.  

Nota metodológica

O Índice de Estoques (IE) é apurado mensalmente pela FecomercioSP desde junho de 2011 com dados de cerca de 600 empresários do comércio no município de São Paulo. O indicador vai de zero a 200 pontos, representando, respectivamente, inadequação total e adequação total. Em análise interna dos números do índice, é possível identificar a percepção dos pesquisados relacionada à inadequação de estoques para “acima” (quando há a sensação de excesso de mercadorias) e para “abaixo” (em casos de os empresários avaliarem falta de itens disponíveis para suprir a demanda em curto prazo). A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.