Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Legislação

23/04/2021

“Não existe a possibilidade de se reformar o sistema tributário brasileiro durante uma pandemia”, afirma Ives Gandra Martins

Diante das incertezas econômicas e sanitárias, a FecomercioSP apoia que o tema seja discutido após se ter uma maior dimensão sobre as consequências destas crises sobre a sociedade

Ajustar texto: A+A-

Ouvir Texto:

00:00 00:10
“Não existe a possibilidade de se reformar o sistema tributário brasileiro durante uma pandemia”, afirma Ives Gandra Martins

Projetos de Reforma Tributária que tramitam no Congresso foram elaborados em outro contexto
(Arte/Tutu)

Por Filipe Lopes

Apoiada pelo setor produtivo, a Reforma Tributária ganhou contornos incertos diante da pandemia causada pelo coronavírus, que perdura por mais de um ano e exige atenção total dos governantes para resolver os problemas sanitários e econômicos. Segundo o jurista Ives Gandra da Silva Martins, presidente do Conselho Superior de Direito (CSD) da FecomercioSP, neste cenário, não há possibilidade de mensurar os impactos das crises sobre a sociedade e ter a certeza de que as atuais proposituras (propostas de emendas constitucionais 45/2019 e 110/2019 e Projeto de Lei 3.887/2020) estejam de acordo com a conjuntura pós-pandemia.

Ives Gandra participou de reunião ordinária do Conselho de Assuntos Tributários (CAT) da Federação, no último dia 14 de abril, que discutiu a Reforma Tributária no contexto da pandemia de covid-19.

No início deste mês, a FecomercioSP solicitou, por meio do seu Conselho Superior de Direito (CSD), ao presidente Jair Bolsonaro e aos presidentes das Casas do Congresso Nacional, que não apreciem os projetos relacionados à Reforma Tributária na conjuntura atual.

Veja também
CAT pede regulamentação do Regime Optativo de Tributação da ST em São Paulo
FecomercioSP propõe aprimoramento do Programa de Parcelamento Incentivado na Câmara Municipal
Conselho Superior de Direito refuta a votação da Reforma Tributária nesse momento de pandemia

De acordo com o jurista, uma mudança constitucional desta magnitude não pode ser debatida a distância. “Não existe a possibilidade de se reformar o sistema tributário brasileiro durante uma pandemia. Em virtude do distanciamento social, o debate legislativo, realizado com parte considerável dos parlamentares conectados remotamente, fica prejudicado. Considerando a importância do tema, é fundamental que seja apreciado sem limitações técnicas, as quais podem acelerar equivocamente a análise sobre os quadros econômico, social e fiscal do País”, pondera Martins.

Além da inviabilidade física, Ives Gandra acredita que tanto o projeto do governo (PL 3.887), quanto as PECs 45 e 110 de autoria da Câmara e do Senado, respectivamente, foram elaborados em outros contextos econômico, social e sanitário, e devem ser reeditadas para a realidade atual. “A PEC 45 centraliza a tributação na União, desfavorecendo os entes federativos. Já a PEC 110 comprime a competência tributária da União e dos municípios, gerando inconstitucionalidade por desrespeitar o pacto federativo. Por fim, o PL 3.887 aumenta significativamente a complexidade na apuração das contribuições e a possibilidade de litígios”, afirma.

Para Fernando Facury Scaff, tributarista e professor de Direito Financeiro da Universidade de São Paulo (USP), o governo perdeu a hora de fazer uma Reforma Tributária ampla e eficiente. “Todo governo que assume tem cem dias para pôr a casa em ordem e dizer a que veio. Contudo, agora, restam 20 meses para o fim da gestão, e os parlamentares não podem se reunir presencialmente para definir uma matéria tão importante como esta. O melhor caminho seria melhorar os pontos que não precisam de alterações constitucionais e deixar o amplo debate para um momento adequado”, aponta Scaff, que também é conselheiro do CAT.

O presidente do CAT, Márcio Olívio Fernandes da Costa, corrobora com a ideia de prorrogar as discussões de uma ampla reforma para quando o ambiente econômico estiver pacificado, porém, defende uma série de medidas para flexibilizar o sistema. “O País precisa de uma simplificação tributária que não aumente a carga, mas que reduza a burocracia e a complexidade do sistema”, diz Costa, que também é presidente do Conselho Estadual de Defesa do Contribuinte de São Paulo (Codecon-SP).

Em contrapartida, o conselheiro Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho, ex-secretário de Fazenda dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, acredita que mesmo em meio à pandemia e à instabilidade política atual, a Reforma Tributária deveria ser feita para dar uma resposta positiva ao mercado financeiro. “Gostaria muito de discutir a Reforma Tributária neste momento. Evidentemente, não é o momento ideal, mas a sinalização de viabilizar uma mudança drástica no sistema seria importante para retomar a economia nacional e atrair investidores”, pondera.

Melhoria do sistema tributário

A FecomercioSP defende que, em vez de instituir uma Reforma Tributária, o governo faça uma revisão considerável dos gastos, por meio de uma Reforma Administrativa ampla. Além disso, medidas de simplificação tributária podem ser implementadas por leis ordinárias e complementares, cujos trâmites no Congresso Nacional são mais simples do que o de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

Desta forma, para o presente momento, a Entidade sugere a adoção de medidas alternativas que poderão promover a simplificação e a desburocratização das obrigações acessórias, além da consequente melhoria do ambiente de negócios, nos termos a seguir indicados.

1) Instituir imunidade temporária, por cinco anos, com relação a impostos e contribuições incidentes sobre importação, produção, comercialização, transporte e aplicação de vacinas para o uso humano.

2) Reparar a mora legislativa com relação à edição das seguintes leis complementares, previstas na Carta Magna e, até hoje, não editadas:

a) resolução dos conflitos de competência tributária entre os entes federativos (artigo 146, I, da CF);

b) disciplinamento da incidência do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) nos casos de domicílio no exterior (artigo 155, § 1º, III, da CF);

c) concessão e revogação de isenções, incentivos e benefícios fiscais do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) – artigo 155, § 2º, XII, g, da CF.

3) Acolher a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) no que concerne aos direitos creditórios na sistemática não cumulativa de PIS/COFINS.

4) Instituir normas visando à desburocratização tributária, dando curso à tramitação, no Senado Federal, do Projeto de Lei do Senado (PLS) Complementar 406/2016, subscrito pela Mesa Diretora desta Casa Legislativa e produzido no âmbito da Comissão de Juristas para a Desburocratização do Senado, presidida pelo ministro Mauro Campbell do STJ e relatada pelo ministro Dias Toffoli, do Superior Tribunal Federal (STF), cujos principais pontos são:

a) instituição do Cadastro Único de Contribuintes;

b) eliminação das exigências extrafiscais na inscrição de contribuintes, mantida, quando cabível, a comunicação da inscrição a outros órgãos de controle;

c) baixa automática de contribuintes sem pendências fiscais, admitida a possibilidade de reinscrição de ofício no caso de identificação de irregularidades após a concessão da baixa;

d) eliminação da exigência de certidão negativa para contratação com o setor público, com possibilidade de retenção nos pagamentos durante a execução dos contratos para fins de quitação de créditos tributários;

e) sujeição da instituição de obrigações tributárias a regras de anterioridade plena;

f) condicionamento à observância das normas fiscais à previsão na consolidação específica de cada tributo, à luz do que dispõe o artigo 212 do CTN;

g) anuência para a compensação universal dos tributos no âmbito de um mesmo ente federativo;

h) alinhamento da responsabilidade solidária dos sócios, em matéria tributária, à jurisprudência do STJ.

5) Instituir comissão de especialistas, com os objetivos de identificar problemas relacionados com o processo tributário, o federalismo fiscal e os vigentes tributos, e, em seguida, propor alternativas de soluções.

Programa de Parcelamento Incentivado

Atendendo à solicitação feita pela FecomercioSP, por meio do CAT, desde março do ano passado – início da pandemia de covid-19 – para auxiliar empresários e contribuintes em débito com o Fisco, o Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) de 2021, mediante o Projeto de Lei (PL) 177/21, de autoria do Executivo paulistano, está sendo apreciado na comissão Constituição, Justiça e Legislação Participativa (CCJ), da Câmara Municipal de São Paulo.

A Federação apoia a iniciativa, sendo que ainda não havia, no âmbito da capital paulista, qualquer postergação do vencimento dos tributos, exceto com relação à parcela do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) devida pelas empresas optantes pelo Simples Nacional, nos termos das Resoluções do Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) 154/2020 e 158/2021.

Segundo o assessor do CAT, Alberto Borges de Carvalho Júnior, entretanto, o PL é similar ao texto do PPI de 2017, quando a realidade econômica dos contribuintes era completamente diferente da atual: impactada pela pandemia e com diversas restrições impostas pelo Poder Público ao funcionamento dos estabelecimentos paulistanos desde março de 2020.

Neste sentido, o CAT solicitou à Câmara Municipal o aprimoramento do PL, com a inclusão dos fatos geradores ocorridos até o mês anterior ao da publicação da lei, o que, por consequência, torna necessária a alteração do prazo para adesão ao parcelamento. O conselho sugeriu ainda a ampliação dos porcentuais de descontos diferenciados e a exclusão da vedação da instituição de novos parcelamentos, entre outras alterações.

O PL 177 promove, também, alterações consideráveis no processo administrativo fiscal e no Conselho Municipal de Tributos (CMT). A FecomercioSP e o CAT avaliam que, antes de qualquer mudança, deve ser feito um amplo debate sobre o tema, prejudicado no período pandêmico. Por isso, solicitam a exclusão dos artigos 13 a 16 e 27 do referido PL. Uma das alterações pretendidas que merece destaque é a que possibilita ao Secretário Municipal da Fazenda a criação de limite de alçada para processamento de recurso ordinário à segunda instância administrativa municipal, similar ao que ocorre no Tribunal de Impostos e Taxas (TIT), que, no entendimento da Federação, irá prejudicar os direitos dos contribuintes à isonomia, ampla defesa e ao contraditório, ferramentas constitucionais garantidas pelo processo administrativo tributário.

Modulação dos efeitos dos julgamentos no Supremo Tribunal Federal

O novo agendamento do julgamento dos Embargos de Declaração opostos pela União Federal, no recurso extraordinário que trata da incidência do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na base de cálculo do PIS e da Cofins (RE 574706) também foi tema da reunião do CAT.

A assessora do conselho, Sarina Manata, apresentou aos participantes o histórico do processo, que há cinco anos aguarda definição na chamada “modulação” dos efeitos da decisão. “Em 2017, o STF fixou tese de que o ICMS não compõe a base de cálculo para fins de incidência do PIS e da COFINS. Mas no mesmo ano, a Advocacia Geral da União (AGU) protocolou Embargos de Declaração da União com pedido de modulação dos efeitos da decisão, alegando impacto financeiro e orçamentário”, aponta. Segundo dados da Receita Federal, as restituições podem chegar a R$ 250,2 bilhões, até 2015.

Em consenso com a relatora do caso, a ministra Cármen Lúcia, o presidente do STF, o ministro Luiz Fux, marcou para o dia 29 de abril o julgamento.

Outro tema de interesse dos contribuintes que foi debatido no encontro, foi sobre o julgamento do RE 1.072.485, que em agosto do ano passado, a questão voltou à tona e foi fixada tese de que “é legítima a incidência de contribuição social sobre o valor satisfeito a título de terço constitucional de férias” (tema 985). Na sequência, em outubro, a AGU enviou embargos de declaração com pedido de modulação dos efeitos da decisão para que fosse autorizado ao fisco a possibilidade de cobrar os valores que não foram recolhidos antes da decisão que fixou a tese no STF.

De acordo com estimativas da Associação Brasileira de Advocacia Tributária (Abat), sem a modulação da decisão o impacto para as empresas será de R$ 80 a R$ 100 bilhões, contando o pagamento retroativo desde 2014.

Apesar deste julgamento ter sido suspenso, sem previsão de data para retomada, o Conselho espera que a decisão não contenha efeitos retroativos, para evitar agravar ainda mais os prejuízos suportados pelos contribuintes neste período de crise pandêmica.

Acompanhe a FecomercioSP

Para saber mais sobre as atividades de advocacy da FecomercioSP ou conhecer as atividades dos conselhos da FecomercioSP, fale conosco pelo e-mail ri@fecomercio.com.br. Se você ainda não é associado, clique aqui e conheça as vantagens.