Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

04/09/2020

Queda do PIB reforça necessidade de que governo assegure sobrevivência de pequenas empresas

Nível de atividade sofreu retração de 9,7% no segundo trimestre, alertando para a importância de programas de crédito emergenciais e medidas de postergação de tributos

Ajustar texto: A+A-

Queda do PIB reforça necessidade de que governo assegure sobrevivência de pequenas empresas

É essencial que o País efetue, após um reajuste fiscal do Estado, uma modernização do sistema tributário
(Arte: TUTU)

Diante da queda de 9,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2020, é urgente que o governo federal intensifique as ações em diversas frentes para impedir um impacto desastroso à economia brasileira – a falência massiva de pequenas empresas. Na comparação com o segundo trimestre de 2019, a queda foi de 11,4%. 

Entre as medidas emergenciais defendidas pela FecomercioSP, estão: o perdão de dívidas; a postergação de impostos; a permissão para suspensão de contratos de trabalho e para redução de jornada; e o aumento do volume de crédito. Até agora, tudo isso teve um efeito amortizador sobre a crise, mas o pilar do crédito ainda não está bem resolvido, e esse é um fator decisivo para a retomada. 

Os resultados do segundo trimestre, apesar de mostrarem a maior queda já verificada para o período, estão dentro do esperado diante dos efeitos da pandemia. A FecomercioSP prevê que o PIB de 2020 deva cair entre 5% e 6% em relação a 2019. Vale lembrar que, no primeiro trimestre, a retração na economia foi de 2,5%. 

Saiba mais sobre a economia brasileira durante a pandemia:
FecomercioSP pede corte de gastos públicos antes da reestruturação do sistema tributário nacional
Reforma tributária sem reforma administrativa?, por José Pastore
Reforma Administrativa só mudará ambiente fiscal do País se alcançar todo o Estado

Entre abril e junho, o consumo recuou 13,5%, os gastos do governo caíram 8,6% e os investimentos das empresas despencaram em 15,2%. O setor de serviços retraiu em 11,2%. No caso específico dos comércios varejista e atacadista (que incluem serviços), houve queda de 14,1%. 

O setor de serviços tem condições de reagir, mas, para que isso ocorra, as micros e pequenas empresas devem ter possibilidades concretas de atravessar a crise. Isso somente será possível com ativismo do governo. Em outras palavras, com estímulos fiscais e monetários no curto prazo, mas também com desburocratização e reformas que tornem o Estado mais sustentável, do ponto de vista financeiro, conforme tem sido pleiteado pela FecomercioSP junto ao Poder Público

Neste momento, é importante ficar atento a um período de recuperação que pode ser mais ou menos rápido, a depender da capacidade de respostas do setor público e da confiança dos empresários e dos consumidores. 

Histórico da crise de crédito 

Em março, diversos Estados, assim como São Paulo, começaram a implementar medidas para reprimir o avanço da pandemia de covid-19 no País, como a quarentena. A crise ganhou força a partir de abril; somente em meados de maio que se cogitou a possibilidade de flexibilização da quarentena em São Paulo. Entretanto, isso só se concretizou a partir de junho.  

Esse espaço de tempo ainda foi marcado pela demora na liberação de programas eficientes de crédito a pequenas empresas. Nesse sentido, a FecomercioSP endereçou mais de dez pleitos, ao longo da pandemia, reforçando a necessidade de mais recursos, com menos burocracia, para as empresas atravessarem esse período. O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), por exemplo, só foi sancionado na segunda quinzena de maio. 

Como a pandemia e os seus efeitos se prolongaram muito mais do que o inicialmente imaginado, é desejável que o governo avance ainda mais nas medidas de proteção do tecido econômico, como suspensão da folha de pagamentos e postergações dos tributos e do auxílio emergencial, além de ações que potencializem o mercado de crédito – fundamental para milhares de empresas que podem sucumbir, mesmo operacionalmente viáveis.  

Reformas são essenciais para superação da crise 

Para que a flexibilização fiscal seja sustentável, é preciso que ocorra, prioritariamente, um ajuste permanente nas contas públicas. Isso demanda uma Reforma Administrativa que reduza o tamanho do Estado. Não há como o governo ser austero em 2020, então, em breve, a dívida pública pode saltar de 80% para algo entre 90% e 100% do PIB, lembra a FecomercioSP. 

No mesmo sentido, é urgente que o País efetue, após um reajuste fiscal do Estado, uma modernização do sistema tributário para reduzir o peso sobre as empresas, por meio de ações de simplificação (mais célere e com impacto positivo direto sobre os negócios). 

“O Brasil é um manicômio tributário e precisa se esforçar para caber de forma mais adequada no PIB. Temo que qualquer Reforma Tributária, neste momento, seja utilizada para não se fazer o ajuste fiscal necessário, porque toda vez que o setor público chega perto de fazer reparações nos gastos, um instrumento é usado para que ele lance mão de mais tributação”, alerta Fábio Pina, assessor econômico da FecomercioSP. Saiba mais.